Treinamento e recursos

Dados clínicos

Treinamento e recursos
Dados de Estudos Clínicos

Essa lista inclui a publicação de estudos que investigaram a eficácia de fitoesteróis na redução de colesterol e que foram encomendados/iniciados/patrocinados pela Unilever ou para as quais os produtos enriquecidos com fitoesteróis que foram utilizados para testes foram fornecidos pela Unilever. A lista está organizada em ordem cronológica e os estudos estão categorizados de acordo com o tipo de produto usado: cremes vegetais/margarinas, laticínios (leite, iogurte e iogurte líquido) e outros tipos. Os estudos que usaram fitoesteróis como parte de uma abordagem alimentar estão separados em uma categoria própria.

Eficácia de Becel Pro-Activ

CREME VEGETAL

Margarinas enriquecidas com fitoesteróis e redução de concentrações plasmáticas de colesterol total e LDL-colesterol em sujeitos normocolesterolêmicos e com hipercolesterolemia leve. Weststrate JA et al., Eur J Clin Nutr 1998; 52(5): 334-343. Em um estudo randomizado, duplo-cego e controlado por placebo, 95 sujeitos saudáveis e normocolesterolêmicos ou com hipercolesterolemia leve consumiram diariamente 30g de creme vegetal enriquecido com fitoesteróis (3,2g de fitoesteróis/dia) como parte de sua alimentação normal durante um período de 3,5 semanas. O creme vegetal sem fitoesteróis Flora/Becel foi utilizado como produto controle. As concentrações plasmáticas de colesterol total e LDL-colesterol foram reduzidas em 8% e 13% nos indivíduos que apresentavam colesterol normal ou alto, respectivamente, sem afetar as concentrações de HDL-colesterol.

Cremes vegetais enriquecidos com três diferentes níveis de esteróis de óleo vegetal e o grau de redução de colesterol em sujeitos normocolesterolêmicos e com hipercolesterolemia leve Hendriks HFJ et al., Eur J Clin Nutr 1999; 53(4): 319-327. A relação de resposta à dose entre a redução de colesterol e a ingestão de fitoesteróis foi investigada nesse estudo randomizado, duplo-cego e controlado por placebo que envolveu 100 sujeitos fazendo uso de três cremes vegetais experimentais fortificados com três diferentes concentrações de fitoesteróis. A ingestão diária de fitoesteróis foi de 0,8g, 1,6g, ou 3,2g consumidos por meio de 25g de creme vegetal durante 3,5 semanas. Quando comparado com o controle (creme vegetal Flora/Becel comum) a redução média de LDL-colesterol atingida como resultado do enriquecimento do creme vegetal com diferentes dosagens de fitoesteróis foi de 6,7%, 8,5% e 9,9% respectivamente, sem que as (pro)vitaminas lipossolúveis fossem seriamente afetadas. As três dosagens de fitoesteróis reduziram de maneira significativa o LDL-colesterol, ao passo que não foram encontradas diferenças significativas entre as três doses.

Modulação dos níveis de lipídios plasmáticos e cinética do colesterol devido a fitoesteróis versus ésteres de fitoestanóis. Jones PJ et al., J Lipid Res 2000; 41(5): 697-705. Em um estudo randomizado, cruzado, duplo-cego de 15 homens hipercolesterolêmicos, foram determinados os efeitos no colesterol plasmático, absorção e síntese de colesterol fazendo uso de 1,8g de fitoesteróis/fitoestanóis por dia (23g de creme vegetal) como parte de uma alimentação saudável. Após três semanas consumindo o creme vegetal enriquecido com fitoesteróis, houve uma redução significativa de 13% no LDL-colesterol e, no caso do creme vegetal enriquecido com fitoestanóis, houve uma redução de 6% no LDL-colesterol. Os ésteres de fitoesteróis e fitoestanóis reduziram o colesterol total e LDL-colesterol circulantes por meio da supressão da absorção do colesterol (-36% para fitoesteróis e -26% para fitoestanóis), além de aumentar a síntese de colesterol. Ambos os cremes vegetais foram eficazes na redução das concentrações de colesterol circulante em sujeitos hipercolesterolêmicos.

Segurança e tolerância de fitoesteróis esterificados consumidos por homens e mulheres saudáveis por meio de creme vegetal e molho para salada com baixos teores de gordura. Davidson, MH et al., J Am Coll Nutr 2001; 20(4): 307-319. Em um estudo randomizado, paralelo, duplo-cego e controlado por placebo, 84 sujeitos vivendo em condições normais consumiram por oito semanas um creme vegetal com baixo teor de gordura (14g/d) e molho para salada também com baixo teor de gordura (46g/d) fornecendo 0, 3, 6 ou 9g/d de fitoesteróis na forma de ésteres. O colesterol total foi reduzido de maneira pouco significativa em 3,9%, 0,9% e 4,6% e o LDL-colesterol em 3,7%, 1,5% e 7,7% em comparação com o grupo de controle para os que consumiram 3, 6 ou 9g/d, respectivamente, sem diferenças significativas entre os três grupos de fitoesteróis. Os efeitos foram menos acentuados do que se esperava, mas isso pode ter sido parcialmente relacionado ao fato de que os sujeitos que participaram desse estudo tinham baixas concentrações iniciais de colesterol. Os níveis de HDL-colesterol aumentaram de maneira não muito significativa, em 4,8%, 3,3% e 7,8% com o consumo de 3, 6 ou 9 g/d de fitoesteróis versus o grupo de controle, respectivamente. Como resultado, doses de 3, 6 e 9g/d de fitoesteróis reduziram a relação entre o colesterol total e o HDL-colesterol em 8,3%, 5,4% e 12,2% em comparação com o grupo de controle, sendo que esse efeito atingiu relevância estatística para o grupo de 9g/d. Além dos lipídios plasmáticos, foram medidas também as concentrações sanguíneas de vitaminas lipossolúveis, carotenoides e fitoesteróis. Todas as vitaminas lipossolúveis (retinol, 25-hidroxi vitamina D, alfa-tocoferol, gama-tocoferol e filoquinona) permaneceram dentro das faixas normais de referência. Dentre os carotenoides, as concentrações de alfa-caroteno e trans-betacaroteno foram reduzidas no grupo de 9g/d vs. o grupo de controle, mas todos os carotenoides permaneceram dentro da faixa normal durante o estudo. Aumentos significativos no campesterol foram observados em todos os grupos que consumiram fitoesteróis vs. o grupo de controle, mas as concentrações de beta-sitosterol não foram afetadas de maneira significativa.

Estudo randomizado controlado do uso de creme vegetal enriquecido com ésteres de óleo vegetal por pacientes hipercolesterolêmicos. Neil HAW et al., Atherosclerosis 2001; 156(2): 329-337. Estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo e cruzado com duração de dois períodos de oito semanas cada conduzido com 58 sujeitos com hipercolesterolemia. A ingestão diária de creme vegetal correspondia a 25g (2,5g de fitoesteróis por dia). A redução significativa do LDL-colesterol devido ao consumo de creme vegetal enriquecido com fitoesteróis foi de 14% após quatro semanas e de 10% após oito semanas, em comparação com o grupo de controle. Não foi observada diferença na resposta entre pacientes hipercolesterolêmicos que estavam tomando estatinas e aqueles que não estavam tomando nenhum remédio para redução de lipídios. Esse estudo concluiu que fitoesteróis podem ser um complemento útil no tratamento de pacientes hipercolesterolêmicos.

Respostas de lipídios a cremes vegetais com baixo teor de gordura e enriquecidos com fitoesteróis que foram introduzidos na dieta do Programa Nacional de Educação sobre o Colesterol – Fase I. Maki KC et al., Am J Clin Nutr 2001; 74(1): 33-43. Esse estudo foi concebido como randomizado, duplo-cego, controlado por placebo e paralelo com duração de 5 semanas e incluindo 224 sujeitos com níveis iniciais de LDL-colesterol entre 3,4 e 5,2 mmol/L. Os sujeitos seguiram a dieta com baixo teor de gordura da Fase I do Programa Nacional de Educação sobre o Colesterol (NCEP, em inglês). Os grupos receberam 14g de creme vegetal com baixo teor de gordura enriquecido com uma baixa dose de ésteres de fitoesteróis (1,1g de fitoesteróis/dia) ou uma dose mais alta (2,2g de fitoesteróis/dia) ou o creme vegetal de controle. Os sujeitos dos grupos de baixas e altas doses de esteróis que consumiram quantidade maior ou igual a 80% das porções programadas apresentaram reduções no colesterol total de 5,2% e 6,6%, além de reduções no LDL-colesterol de 7,6% e 8,1% respectivamente. O estudo demonstrou que a inclusão de um creme vegetal com baixo teor de gordura enriquecido com ésteres de fitoesteróis à dieta de baixo teor de gordura do NCEP é um complemento benéfico no tratamento de hipercolesterolemia por meio da alimentação.

Margarina enriquecida com fitoesteróis reduz o LDL-colesterol plasmático em sujeitos hiperlipidêmicos com baixa ingestão de colesterol: efeito do tratamento com fibratos. Nigon F et al., Clin Chem Lab Med 2001; 39(7): 634-40. Estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, cruzado e conduzido ao longo de dois períodos com 53 pacientes hipercolesterolêmicos com ou sem tratamento com fibratos. O objetivo do estudo foi testar o efeito de redução de colesterol de um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis em sujeitos hipercolesterolêmicos e testar seu efeito combinado com medicação para redução do colesterol (fibratos). As concentrações plasmáticas de colesterol total e LDL-colesterol foram reduzidas de maneira significativa em 6,4% e 8,8%, respectivamente, para consumo do creme vegetal enriquecido com fitoesteróis (ingestão de 1,6g/dia) em comparação com a margarina comum consumida pelo grupo de controle. Quando os sujeitos foram divididos em dois subgrupos, de acordo com o tratamento por meio do uso de fibratos, a complementação com fitoesteróis reduziu as concentrações plasmáticas de colesterol total e LDL-colesterol em 8,5% e 11,1% respectivamente, no subgrupo tratado com fibratos. No subgrupo que não estava tomando fibratos, o colesterol total e o LDL-colesterol foram reduzidos em 5,5% e 7,7% respectivamente. Esse estudo demonstra que cremes vegetais enriquecidos com ésteres de fitoesteróis são um bom complemento para o tratamento de pacientes hipercolesterolêmicos que estejam sendo medicados com fibratos.

Efeito de margarina enriquecida com fitoesteróis sobre lipídios e esteróis plasmáticos em sujeitos heterozigotos para fitoesterolemia. Stalenhoef AFH et al., J Intern Med 2001; 249(2): 163-166. Em um estudo de quatro semanas, dois sujeitos heterozigotos para fitosterolemia receberam uma alimentação que incluía 40g de creme vegetal enriquecido com fitoesteróis (3g de fitoesteróis/dia). Os níveis totais de colesterol plasmático foram reduzidos em 11% e 12%, respectivamente, devido principalmente à redução do LDL-colesterol. As concentrações plasmáticas de fitoesteróis permaneceram similares aos níveis encontrados em sujeitos normais.

Creme vegetal enriquecido com ésteres de fitoesteróis reduz o colesterol plasmático total e LDL-colesterol em crianças com hipercolesterolemia familiar. Amundsen AL et al., Am J Clin Nutr 2002; 76(2): 338-344. Em um estudo randomizado controlado, duplo-cego e cruzado com duração de dois períodos de 8 semanas, 38 crianças com idades entre sete e doze anos com hipercolesterolemia familiar consumiram diariamente 18,2g de creme vegetal enriquecido com fitoesteróis (1,5g de fitoesteróis/dia), alcançando uma redução média no LDL-colesterol de 10,2% em comparação com o grupo de controle. Nesse importante estudo foi mostrado que crianças com hipercolesterolemia familiar que já estejam seguindo uma dieta para redução do colesterol podem obter reduções adicionais de aproximadamente 10% no LDL-colesterol sem quaisquer efeitos adversos causados pela ingestão diária de ~1,5g de fitoesteróis na forma de cremes vegetais enriquecidos com fitoesteróis. O efeito perdurou no retorno após seis meses, quando os sujeitos estavam cientes do tratamento que estava sendo administrado, mas já vivendo em uma simulação de condições normais (veja Amundsen et al., 2004).

Polimorfismo da Apolipoproteína E e resposta lipídica no soro sob influência de fitoesteróis em humanos. Geelen A et al., Eur J Clin Invest 2002; 32(10): 738-742. Estudo randomizado, cruzado e controlado por placebo, que investigou se os efeitos de redução do colesterol dos fitoesteróis poderiam variar entre sujeitos com diferentes fenótipos de apoE. Oitenta e oito sujeitos com diferentes fenótipos de apoE (E3/4, n=31, ou E4/4, n=57) consumiram margarina enriquecida com fitoesteróis por três semanas, ingerindo 3,2g/d de fitoesteróis, ou a margarina de controle. Os sujeitos consumiram as margarinas usadas no teste como parte de sua alimentação normal, que já tinha baixo teor de colesterol. As respostas do colesterol total e do LDL-colesterol não foram afetadas de maneira significativa pelo polimorfismo do apoE. O LDL-colesterol foi reduzido em 12,2% nos sujeitos do grupo E3/4 e em 9,8% nos sujeitos do grupo E4/E4. Esse estudo demonstrou que a eficácia da redução de colesterol por meio do consumo de fitoesteróis não é afetada pelo polimorfismo do apoE em sujeitos saudáveis que consomem uma alimentação com baixo teor de colesterol

Eficiência dos ésteres de fitoesteróis alimentares na redução dos lípides plasmáticos em hipercolesterolêmicos moderados. Lottenberg AM et al., Arq Bras Cardiol 2002; 79(2): 139-142. (Journal in Portuguese). Foi investigada nesse estudo a relação entre o efeito de redução do colesterol de ésteres de fitoesteróis e diferentes polimorfismos do apoE. Em um estudo duplo-cego e cruzado, 60 hipercolesterolêmicos moderados receberam 20g/dia de creme vegetal enriquecido com fitoesteróis, contendo 1,68g de fitoesteróis/dia, ou o creme vegetal de controle, durante quatro semanas. Os níveis de concentrações do colesterol total e do LDL-colesterol foram reduzidos de maneira significativa em 10% e 12%, respectivamente, quando comparado com a base de referência, e em 6% e 8% quando comparado com o tratamento do grupo de controle. Os níveis de HDL-colesterol e triglicérides não se alteraram como resultado do tratamento. Não foi encontrada nenhuma diferença significativa na habilidade de redução de colesterol entre apoE3/3 e apoE4/3. Assim sendo, pode-se concluir que fitoesteróis reduzem os níveis de colesterol no sangue independente de polimorfismo do apoE.

Os efeitos de margarina enriquecida com ésteres de fitoesteróis sobre lipoproteínas plasmáticas em hipercolesterolêmicos leves e moderados estão relacionais aos níveis basais de ingestão de colesterol e gordura. Mussner MJ et al., Metabolism 2002; 51(2): 189-194. Nesse estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo e cruzado, foi investigado o efeito da ingestão de 20g/dia de creme vegetal enriquecido com ésteres de fitoesteróis (1,82g de fitoesteróis/dia) sobre lipoproteínas plasmáticas em 63 sujeitos saudáveis após três semanas de intervenção. O creme vegetal enriquecido com ésteres de fitoesteróis reduziu de maneira significativa o colesterol total em 3,4% e o LDL-colesterol em 5,4%, em comparação com o grupo de controle. As descobertas desse estudo sugerem que o consumo diário de margarina enriquecida com ésteres de fitoesteróis pode reduzir o risco de arteriosclerose em sujeitos com hipercolesterolemia leve a moderada por meio da redução do colesterol total e LDL-colesterol.

O aumento de carotenoides alimentares quando se consome fitoesteróis ou fitoestanóis é eficaz na manutenção dos níveis de carotenoides plasmáticos. Noakes M et al., Am J Clin Nutr 2002; 75(1): 79-86. Estudo duplo-cego, randomizado e cruzado realizado com 46 hipercolesterolêmicos para comparação da eficácia de 25g de creme vegetal enriquecido com ésteres de fitoesteróis e ésteres de fitoestanóis nas concentrações plasmáticas de carotenoides. Os sujeitos foram aconselhados a consumir pelo menos cinco porções de frutas e vegetais diariamente, sendo que pelo menos uma das porções deveria ser de alimentos ricos em carotenoides, como cenouras, batata doce, abóbora, tomate, damasco, espinafre ou brócolis. O creme vegetal enriquecido com ésteres de fitoesteróis (2,3g de esteróis/dia) reduziu de maneira significativa o LDL-colesterol em 7,7%, em comparação com o grupo de controle. O creme vegetal enriquecido com fitoestanóis (2,5g de fitoestanóis/dia) reduziu de maneira significativa o LDL-colesterol em 9,5% em comparação ao creme vegetal de controle. Não houve diferença na redução de colesterol entre os diferentes tipos de creme vegetal enriquecido, nem nos carotenoides plasmáticos quando comparados com a base de referência. O conselho para se aumentar a ingestão de frutas e vegetais foi eficaz na manutenção dos níveis de carotenoides plasmáticos dentro dos valores da base de referência ao mesmo tempo que reduziu as concentrações de LDL-colesterol.

Creme vegetal enriquecido com ésteres de fitoesteróis reduz o colesterol sanguíneo e lipoproteínas sem afetar vitaminas A e E em homens e mulheres japoneses normais e hipercolesterolêmicos. Ntanios FY et al., J Nutr 2002; 132(12): 3650-3655. A eficácia de um creme vegetal enriquecido com ésteres de fitoesteróis (15g/dia, contendo1,8g de fitoesteróis) na redução do colesterol sanguíneo foi examinada em 53 voluntários japoneses que consumiam a alimentação japonesa tradicional (baixo teor de gordura). As concentrações plasmáticas de colesterol total e de LDL-colesterol foram reduzidas de maneira significativa em 5,8% e 9,1%, respectivamente, quando os sujeitos consumiram o creme vegetal enriquecido com fitoesteróis, em comparação com o creme vegetal de controle. Esse estudo mostrou que pacientes que já têm uma alimentação com baixo teor de gordura podem reduzir ainda mais o nível de LDL-colesterol por meio da introdução de um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis em sua alimentação japonesa tradicional.

Efeito cumulativo de margarina enriquecida com ésteres de fitoesteróis e cerivastatina na redução de colesterol lipoproteico de baixa densidade em hipercolesterolemia primária. Simons LA et al., Am J Cardiol 2002; 90(7): 737-740. Estudo multicêntrico, randomizado e duplo-cego que examinou efeito cumulativo ou interativo de uma margarina enriquecida com ésteres de fitoesteróis (25g contendo 2g de fitoesteróis por dia) em combinação com uma medicação à base de estatina na redução do LDL-colesterol em 125 hipercolesterolêmicos primários. A cerivastatina (em comparação com o placebo) reduziu de maneira significativa o LDL-colesterol em 32% e a margarina enriquecida com ésteres de fitoesteróis (em comparação com margarina normal) provocou uma redução de 8%. O efeito da combinação de margarina enriquecida com ésteres de fitoesteróis e cerivastatina sobre a redução de colesterol LDL foi cumulativo (39%). Não houve nenhum efeito interativo significativo. A adição de uma margarina enriquecida com ésteres de fitoesteróis ao tratamento com estatina oferece uma redução do LDL-colesterol equivalente ao que seria obtido caso a dose de estatina fosse dobrada.

Efeitos de um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis nos lipídios e lipoproteínas do soro em sujeitos com hipercolesterolemia leve. Temme EHM et al., Acta Cardiol 2002; 57(2): 111-115. Estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo e cruzado que analisou os efeitos de cremes vegetais enriquecidos com fitoesteróis (25g contendo 2g de fitoesteróis por dia) nas concentrações no soro de lipídios, lipoproteínas e apolipoproteínas em 42 sujeitos belgas. As concentrações no soro do colesterol total e LDL-colesterol foram reduzidas de maneira significativa em 7% e 10% respectivamente, em comparação entre o creme vegetal enriquecido com fitoesteróis e o creme vegetal de controle. Essas descobertas indicam que a ingestão diária de 25g de creme vegetal contendo 2g de fitoesteróis por dia é eficaz na redução do colesterol total e do LDL-colesterol.

Creme vegetal enriquecido com fitoesteróis aumenta o potencial de redução do colesterol de uma dieta com teor de gordura reduzido. Cleghorn CL et al., Eur J Clin Nutr 2003; 57(1): 170-176. Estudo randomizado, duplo-cego e cruzado, que examinou o efeito da substituição de manteiga por um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis sobre as concentrações de colesterol plasmático em sujeitos que estavam seguindo uma dieta na qual 30% da energia total era obtida por meio de gordura. Após três semanas consumindo manteiga, 53 homens e mulheres vivendo em condições normais consumiram diariamente 25g de creme vegetal poli-insaturado com ou sem 2g de fitoesteróis durante períodos de quatro semanas. A substituição da manteiga por um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis reduziu de maneira significativa o colesterol plasmático total em 8,9% e o LDL-colesterol em 12,3%, o que representa mais do que o efeito obtido com o consumo de um creme vegetal poli-insaturado sem a adição de fitoesteróis. Assim sendo, nos indivíduos com concentrações de colesterol plasmático moderadamente elevadas e que consumiam uma alimentação com teor de gordura reduzido, a redução nas concentrações de colesterol plasmático total e LDL-colesterol obtida por meio da substituição de manteiga por um creme vegetal poli-insaturado é potencializada pela adição de fitoesteróis.

Fitoesteróis reduzem o LDL-colesterol em crianças na pré-puberdade com hipercolesterolemia familiar sem melhorar a função endotelial. Jongh de S et al., J Inh Metab Dis 2003; 26: 343-351. Estudo duplo-cego e cruzado que avaliou o efeito do consumo de um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis no colesterol plasmático e função vascular em 41 crianças na pré-puberdade com hipercolesterolemia familiar. Durante períodos de quatro semanas, as crianças consumiram 15g de creme vegetal enriquecido com fitoesteróis (2,3g de fitoesteróis por dia) e um creme vegetal de controle. As concentrações de colesterol total foram reduzidas de maneira significativa em 11% e as concentrações de LDL-colesterol foram reduzidas em 14%, em comparação com o creme vegetal de controle. O presente estudo mostra uma clara redução do LDL-colesterol devido ao consumo de um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis por crianças na pré-puberdade com hipercolesterolemia familiar. Entretanto, o tratamento de curta duração com fitoesteróis não melhorou a função endotelial nessas crianças.

Segurança do consumo de longo-prazo de cremes vegetais enriquecidos com ésteres de fitoesteróis. Hendriks HFJ et al., Eur J of Clin Nutr 2003; 57(5): 681-692. A eficácia e segurança do consumo de longo-prazo de cremes vegetais contendo ésteres de fitoesteróis foram avaliadas em um estudo randomizado, duplo-cego, paralelo e controlado por placebo. Cento e oitenta e cinco voluntários consumiram diariamente por um ano 20g de creme vegetal enriquecido com 1,6g de fitoesteróis na forma de ésteres de ácidos graxos ou o creme vegetal de controle. O consumo do creme vegetal enriquecido com fitoesteróis reduziu consistentemente o colesterol total e LDL-colesterol em 4% e 6% em média, respectivamente, durante o ano do estudo. O estudo concluiu que o consumo de cremes vegetais enriquecidos com fitoesteróis é seguro para ser praticado em longo prazo, além de ser um método eficaz para reduzir de maneira consistente as concentrações de colesterol sanguíneo.

Impacto de margarina enriquecida com fitoesteróis sobre lipídios sanguíneos, função de plaquetas e níveis de fibrinogênio em homens jovens. Kozlowska-Wojciechowska M et al., Metabolism 2003; 52(11): 1373-1378. Estudo randomizado e paralelo que avaliou os efeitos de margarina rica em ácidos graxos poli-insaturados em 42 homens que haviam consumido manteiga durante um período de estabilização de duas semanas. Após o período de estabilização, os sujeitos foram alocados em um dos dois grupos, consumindo 30g/d de margarina rica em ácidos graxos poli-insaturados ou 30g/d de margarina contendo 2,6g de fitoesteróis. A composição dos ácidos graxos nos dois tipos de margarina (margarina rica em ácidos graxos poli-insaturados e margarina enriquecida com fitoesteróis) era diferente, e, por causa disso, a margarina rica em ácidos graxos poli-insaturados não pôde ser considerada como controle para a margarina enriquecida com fitoesteróis. Os efeitos de cada tipo de margarina foram avaliados comparando-se as concentrações de lipídios ao final da intervenção com os níveis de referência de lipídios após o consumo de manteiga. Quando comparado com a base de referência, a margarina rica em ácidos graxos poli-insaturados causou uma redução de 6% no LDL-colesterol, enquanto a margarina enriquecida com fitoesteróis causou uma redução significativa de 11%. Adicionalmente, a margarina enriquecida com fitoesteróis prolongou a adesão e tempo de agregação plaquetária após a ativação de colágeno-epinefrina, o que sugere que fitoesteróis podem ter atividade anti-plaquetas, o que pode contribuir para a redução do risco de doenças circulatórias.

Resposta de heterozigotos carregadores de genes recessivos para fitoesterolemia a uma dieta com baixo teor de gordura e a um desafio alimentar incluindo ésteres de fitoesteróis. Kwiterovich PO et al., J Lipid Res 2003; 44(6): 1143-1155. A resposta de heterozigotos carregadores de genes recessivos para fitoesterolemia a uma dieta com baixo teor de gordura (Fase I) e a um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis foi investigada em 12 sujeitos que passaram por dois protocolos uni-cego de diferentes durações. No primeiro protocolo, um período pré-teste de quatro semanas (dieta da fase I com o creme vegetal placebo) precedeu seis semanas em que os sujeitos consumiram a dieta da Fase I e um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis, seguido por mais quatro semanas de dieta da Fase I com consumo de um creme vegetal placebo. O Protocolo II foi semelhante, mas as fases de tratamento duraram 12 semanas cada. Em ambos os protocolos, 28g/d de creme vegetal foram consumidos, fornecendo 2,2g de fitoesteróis/dia. Quando se comparou a fase dos fitoesteróis com a fase do placebo, foram observadas reduções nas concentrações de LDL-colesterol em 9% e 14%, durante os Protocolos I e II, respectivamente. As concentrações dos fitoesteróis plasmáticos (campesterol e sitosterol) aumentaram com o consumo do creme vegetal enriquecido com fitoesteróis, mas retornaram aos níveis de referência durante o wash-out com o creme vegetal placebo ao final do estudo. Apesar de as fases dos cremes vegetais com fitoesteróis e placebo não terem sido randomizadas, o estudo oferece uma indicação de que indivíduos heterozigotos para fitoesterolemia apresentam uma resposta ao consumo de fitoesteróis similar àquela de sujeitos normais.

O consumo de creme vegetal enriquecido com fitoesteróis melhora o perfil lipídico de sujeitos com diabetes tipo 2 mellitus. Um estudo randomizado controlado sob condições de vida normais. Lee YM et al., Eur J Nutr 2003; 42(2): 111-117. Neste estudo randomizado, controlado por placebo e duplo-cego, investigou-se o efeito de um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis nos lipídios do soro de 85 sujeitos com diabetes tipo 2 mellitus, divididos em dois grupos paralelos e ao longo de 12 semanas. Os participantes consumiram diariamente 20g de creme vegetal com ou sem 1,6g de ésteres de fitoesteróis. As concentrações de colesterol total e LDL-colesterol foram reduzidas de maneira significativa, em 5,2% e 6,8%, respectivamente, após quatro semanas, em comparação com a base de referência. Após oito e doze semanas as reduções foram menores, mas ainda assim havia uma diferença importante entre o grupo de controle e o dos fitoesteróis. Esse estudo demonstrou que cremes vegetais enriquecidos com fitoesteróis são eficazes na redução do colesterol total e LDL-colesterol em sujeitos com diabetes Tipo 2. Apesar de o efeito ser modesto, ele pode contribuir para a redução do risco elevado de doenças cardiovasculares em indivíduos com diabetes tipo 2.

O polimorfismo da proteína humana de transferência de colesterol esterificado I405V está associado à concentração plasmática de colesterol e sua redução por meio do uso de ésteres de fitoesteróis alimentares. Lottenberg AM et al., J Nutr 2003; 133(6): 1800-1805. O objetivo do estudo era investigar o efeito do consumo de éster de fitoesteróis sobre lipídios sanguíneos, a concentração da proteína de transferência de colesterol esterificado (CETP, em inglês), da atividade de lecitina-colesterol aciltransferase (LACT, em inglês) e a relação destes com polimorfismos de I405V CETP, Taq1B CETP e apoE. Em um estudo duplo-cego e cruzado, 60 hipercolesterolêmicos moderados consumiram por quatro semanas 20g/dia de um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis (contendo 1,68g de fitoesteróis por dia) ou de um creme vegetal de controle. As concentrações de colesterol total e LDL-colesterol foram reduzidas de maneira significativa em 10% e 12%, respectivamente, em comparação com os níveis de referência, e em 6% e 8% em comparação com o tratamento de controle. Esse padrão de resposta dos lipídios plasmáticos estava relacionado ao polimorfismo de I405V CETP. As reduções no colesterol total para os fenótipos II, IV e VV foram 7,2%, 4,2% e não significativa, respectivamente, ao passo que uma redução expressiva no LDL-colesterol ocorreu apenas para o fenótipo II (9,5%). Esses dados sugerem que polimorfismos de CETP podem modular os efeitos de fitoesteróis nas concentrações plasmáticas de colesterol.

Cumprimento ao longo-prazo e alterações nos lipídios plasmáticos, fitoesteróis e carotenoides em crianças e pais com hipercolesterolemia familiar que consumiram creme vegetal enriquecido com ésteres de fitoesteróis. Amundsen AL et al., Eur J Clin Nutr 2004; 58(12): 1612-1620. Acompanhamento de 26 semanas e aberto de crianças com hipercolesterolemia familiar (que já haviam participado de um estudo controlado e cruzado, AbumWeis et al, 2002) que avaliou o cumprimento do tratamento sugerido durante o estudo e as alterações nos lipídios plasmáticos de 37 crianças e 20 dos seus pais. Foi recomendado que os sujeitos consumissem 20g/dia de creme vegetal enriquecido com ésteres de fitoesteróis (1,8g de fitoesteróis por dia) como parte da sua dieta para redução de lipídios. Dezenove dos pais, mas nenhuma das crianças, usaram também estatinas. O consumo mediano de creme vegetal enriquecido com fitoesteróis foi de 13,7 e 16,5g/d para as crianças e os pais, respectivamente, correspondendo à ingestão diária de 1,2g e 1,5g de fitoesteróis. O colesterol plasmático total foi reduzido de maneira significativa, em 9,1%, em ambos as crianças e os pais. As reduções correspondentes no LDL-colesterol foram de 11,4% e 11,0%, respectivamente. Nesse estudo, a eficácia contínua na redução de colesterol e o cumprimento a longo prazo do consumo de creme vegetal enriquecido com ésteres de fitoesteróis foi demonstrada em condições normais de vida e em um ambiente menos controlado.

Aumento da ingestão de frutas e vegetais e adoção de uma dieta com baixo teor de gordura, com ou sem o consumo de creme vegetal com baixo teor de gordura e enriquecido com fitoesteróis: efeitos no metabolismo de lipoproteínas e carotenoides plasmáticos. Colgan HA et al., J Hum Nutr Diet 2004; 17(6): 561-569. Estudo randomizado, cruzado e duplo-cego que determinou o efeito de conselhos alimentares específicos para o aumento da ingestão diária de frutas e vegetais sobre as concentrações de carotenoides plasmáticos ao seguir uma dieta com baixo teor de gordura da Fase I do Programa Nacional de Educação sobre o Colesterol (NCEP, em inglês) e incluindo a ingestão de creme vegetal enriquecido com ésteres de fitoesteróis. Quarenta e oito homens hipercolesterolêmicos consumiram durante três semanas 21g/dia de creme vegetal com baixo teor de gordura enriquecido com fitoesteróis (1,3g de fitoesteróis por dia) ou um placebo. O colesterol plasmático total e o LDL-colesterol foram reduzidos de maneira significativa em 4,6% e 7,1%, respectivamente. O consumo de ésteres de fitoesteróis foi associado com concentrações reduzidas de maneira significativa de betacaroteno plasmático, mas essa mudança não foi expressiva após a padronização dos lipídios. Assim sendo, conselhos alimentares para o aumento da ingestão de frutas e vegetais foi eficaz na prevenção da redução das concentrações plasmáticas de carotenoides anteriormente associadas com o consumo de éster de fitoesteróis. Adicionalmente, o creme vegetal com baixo teor de gordura e enriquecido com fitoesteróis consumido como parte da dieta com baixo teor de gordura da Fase I da NCEP é eficaz na redução do colesterol total e LDL-colesterol.

Inibição da absorção de colesterol por meio da combinação de fitoesteróis alimentares e ezetimiba: efeitos sobre níveis de lipídios plasmáticos. Jakulj L et al., J Lipid Res 2005; 46: 2692-2698. Nesse estudo, a combinação do inibidor de absorção de colesterol ezetimiba e fitoesteróis foi testada em sujeitos adultos com hipercolesterolemia leve e com concentrações de referência de LDL-colesterol entre 3,5 e 5,0 mmol/L. Quarenta voluntários foram aleatoriamente divididos entre quatro grupos: apenas ezetimiba, ezetimiba mais fitoesteróis, apenas fitoesteróis ou placebo. O estudo foi duplo-cego, controlado por placebo e cruzado para o tratamento com fitoesteróis com um tratamento aberto com ezetimiba. Após fase de pré-teste de duas ou seis semanas, dependendo do uso prévio de fitoesteróis, os voluntários foram sujeitados a quatro semanas de tratamento e depois foram passados para o próximo tratamento dentro do estudo. A quantidade de fitoesteróis foi de 2g/dia contidas em 25g de creme vegetal, enquanto a dose de ezetimiba foi de 10mg/dia. Em comparação com o placebo, o ezetimiba, os fitoesteróis e a combinação dos dois reduziram o LDL-colesterol plasmático em 22%, 5% e 25%, respectivamente. Não houve efeito significativo no HDL-colesterol ou triglicérides. As concentrações de sitosterol e campesterol plasmáticos aumentaram com os fitoesteróis, ao passo que, com ezetimiba, as concentrações de fitoesteróis plasmáticos foram mais baixas do que no tratamento com placebo. Já com a combinação de ezetimiba e fitoesteróis, as concentrações plasmáticas de sitosterol e campesterol foram mais altas quando comparadas com o tratamento apenas com ezetimiba, mas mais baixas em comparação com o placebo. Concluiu-se nesse estudo que a combinação de fitoesteróis e ezetimiba não demonstrou benefícios adicionais para redução de colesterol em comparação com o tratamento com apenas o ezetimiba. Com base nessas descobertas, não há certeza se os sujeitos beneficiar-se-ão do consumo de alimentos enriquecidos com fitoesteróis quando já estão tomando ezetimiba.

Substituição isocalórica de creme vegetal com alto teor de gordura enriquecido com fitoesteróis por alimentos ricos em carboidratos em uma dieta com baixo teor de gordura e rica em fibras reduz colesterol plasmático lipoprotéico de baixa densidade e aumenta as concentrações de lipoproteínas de alta densidade. Skeaff CM et al., Nutr Metab Cardiovasc Disease 2005; 15(5): 337-344. Estudo randomizado e cruzado que comparou o efeito da substituição de um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis por alimentos ricos em carboidratos dentro de uma dieta rica em gordura saturada. Vinte e nove sujeitos completaram quatro semanas de intervenção, durante as quais todos os alimentos consumidos foram oferecidos pelo estudo. As três dietas foram: alimentação típica da Nova Zelândia (rica em gorduras totais e saturadas), uma dieta para redução do colesterol, incluindo creme vegetal enriquecido com fitoesteróis (2g de fitoesteróis por dia) e a mesma dieta para redução do colesterol, mas acrescida de carboidratos, ao invés do creme vegetal enriquecido com fitoesteróis. As concentrações de LDL-colesterol abaixaram 20% na dieta que incluía os fitoesteróis, muito maior do que a redução observada na dieta rica em carboidratos (12%). O estudo concluiu que a inclusão de um creme vegetal enriquecido com fitoesteróis em uma dieta para redução do colesterol produz um perfil de lipídios plasmáticos mais favorável do que a mesma dieta, alterada para ter um baixo teor de gorduras total e saturada ao substituir o creme vegetal com alimentos ricos em carboidratos.

Ingestão de uma única dose diária pela manhã de produtos padrões e novos com fitoesteróis durante quatro semanas não afeta dramaticamente as concentrações de lipídios plasmáticos em humanos. AbuMweis SS et al., J Nutr 2006; 136(4): 1012-1016. A maior parte dos fitoesteróis disponíveis no mercado são esterificados em ácidos graxos de óleo vegetal. Uma nova abordagem consiste em esterificar os fitoesteróis em ácidos graxos por meio de outras fontes, tais como ácidos graxos provenientes de peixes, que são conhecidos por oferecem por si só um efeito positivo nas concentrações de triglicérides no plasma e mortalidade cardíaca. Esse estudo testou os efeitos de redução de lipídios de fitoesteróis de ésteres de ácidos graxos provenientes de óleo de peixe em 30 sujeitos com sobrepeso e hipercolesterolêmicos. O estudo foi randomizado, cruzado, controlado por placebo e uni-cego, com cinco tratamentos diferentes: (I) controle, (II) fitoesteróis livres, (III) fitoesteróis esterificados de ácidos graxos provenientes de óleo de girassol, (IV) fitoesteróis esterificados de ácidos graxos de óleo de peixe e (V) fitoesteróis livres em combinação com ácidos graxos de óleo de peixe. Todos os tratamentos foram incorporados a uma margarina e consumidos no café da manhã sob supervisão dos pesquisadores durante quatro semanas. Períodos de wash-out de duas e quatro semanas separaram cada uma das fases de tratamento. Surpreendentemente, nenhum dos tratamentos com fitoesteróis teve um efeito estatisticamente relevante nas concentrações plasmáticas de colesterol total, LDL-colesterol e triglicérides. Entretanto, a dose de fitoesteróis em cada uma das quatro fases de tratamento com fitoesteróis foi baseada no peso dos sujeitos, o que resultou em uma vasta gama de doses, de 1,0 a 1,8g/d, o que pode ter causado uma grande variabilidade na eficácia dos tratamentos com fitoesteróis na redução do colesterol.

Ésteres de fitoesteróis de óleo de peixe melhoram o perfil lipídico de sujeitos dislipidêmicos mais do que ésteres de fitoesteróis de óleo de peixe ou óleo de girassol. Demonty I et al., Am J Clin Nutr 2006; 84(6): 1534-1542 .Estudos passados demonstraram que fitoesteróis reduzem as concentrações de colesterol total e LDL-colesterol, assim como foi demonstrado que ácidos graxos provenientes de óleo de peixe reduzem as concentrações de triglicérides. O presente estudo investigou os efeitos de um tratamento combinado de fitoesteróis esterificados de ácidos graxos provenientes de peixes (FE-OP) sobre lipídios sanguíneos. Vinte e um hipercolesterolêmicos seguiram dietas baseadas em azeite de oliva (AO) e consumiram quatro óleos de tratamento diferentes durante quatro períodos seguidos em ordem semi-aleatória: AO, óleo de peixe, FE-OP e ésteres de fitoesteróis de óleo de girassol (FE-OG). Os óleos de fitoesteróis forneceram ~1,7g/dia de fitoesteróis livres. As concentrações de triglicérides foram expressivamente mais baixas após a complementação com o óleo de peixe e FE-OP, em comparação com AO e FE-OG. Tanto as complementações com FE-OP quanto com FE-OG resultaram em uma redução significativa de LDL-colesterol em comparação com AO, bem como em uma relação bem mais baixa entre colesterol total e HDL-colesterol, além de concentrações mais baixas de apoB em comparação com AO e óleo de peixe. Ademais, a relação entre apoB e apoA foi muito mais baixa após o uso de FE-OG em comparação com AO e óleo de peixe. O HDL-colesterol não foi afetado por nenhum dos dois óleos de fitoesteróis. Entretanto, o HDL2 e a relação entre HDL2 e HDL3 foram expressivamente mais altas após a complementação com FE-OP, em comparação com AO, óleo de peixe e FE-OG. Esses resultados mostram que tanto os tradicionais ésteres de fitoesteróis de óleos vegetais quanto os novos ésteres de fitoesteróis provenientes de óleo de peixe, quando incluídos em uma alimentação baseada em azeite de oliva, melhoram os perfis de lipídios plasmáticos e apolipoproteínas, em comparação com o óleo de peixe ou apenas a dieta de controle. Devido aos efeitos benéficos do FE-OP nas subfrações do HDL-colesterol, os autores concluíram que a complementação com FE-OP pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares mais que a complementação com óleo de peixe ou FE-OG. Entretanto, o risco de doenças cardiovasculares não foi investigado diretamente nesse estudo (foram medidos apenas os marcadores de risco de doenças cardiovasculares) e essa hipótese precisaria ser verificada.

Azeite de oliva contendo ésteres de fitoesteróis provenientes de ácidos graxos de azeite de oliva e diacilglicerol alimentar reduz o colesterol lipoproteico de baixa densidade e diminui a tendência a peroxidação em hipercolesterolêmicos. Chan YM et al., Br J Nutr 2007; 98(3): 563-570. O objetivo desse estudo era avaliar os efeitos de novos ésteres de fitoesteróis (ésteres de fitoesteróis provenientes de ácidos graxos de azeite de oliva) sobre o perfil lipídico no sangue e peroxidação lipídica. O estudo foi realizado no contexto de uma dieta saudável e inspirada na alimentação Mediterrânea, com 70% da gordura proveniente de azeite de oliva. Vinte e um sujeitos consumiram, aleatoriamente, três óleos de tratamento de maneira consecutiva: azeite de oliva como o óleo de controle, fitoesteróis (1,7g/d) esterificados de óleo de girassol (FE-OG) e fitoesteróis (1,7g/d) esterificados de azeite de oliva (FE-AO). Os óleos foram consumidos por quatro semanas cada, separados por períodos de wash-out também de quatro semanas. Os tratamentos com FE-OG e FE-AO resultaram em reduções significativas no LDL-colesterol (-6,3% e -9,1%, respectivamente) e em reduções não significativas no colesterol total (-4,9% e -6,9%, respectivamente) em comparação com o azeite de oliva de controle. Não houve diferença entre as dietas no que diz respeito a lipoproteínas (a) e níveis de peroxidação lipídica. Esses dados sugerem que ésteres de fitoesteróis provenientes de ácidos graxos de azeite de oliva podem ser tão eficazes quanto o tradicional éster de fitoesteróis provenientes de ácidos graxos de óleo de girassol na redução de LDL-colesterol. Entretanto, os indícios de efeitos positivos dos novos ésteres de fitoesteróis provenientes de azeite de oliva em outros indicadores de risco de doença cardiovascular foram menos convincentes.

Efeito da combinação de alimentos enriquecidos com fitoesteróis em sujeitos com hipercolesterolemia leve. Madsen MB et al., Clin Nutr 2007; 26(6): 792-798. O objetivo desse estudo foi avaliar o impacto da combinação de dois produtos diferentes enriquecidos com fitoesteróis (creme vegetal e leite), aliados a uma dieta com baixo teor de gordura, sobre o risco de doença arterial coronariana. Cinquenta homens e mulheres hipercolesterolêmicos moderados, mas saudáveis em outros aspectos, foram recrutados para participar desse estudo. O estudo foi randomizado, duplo-cego, controlado por placebo e cruzado e compreendeu duas fases de intervenção, de quatro semanas cada, sem período de wash-out entre as fases. Durante as fases do placebo e dos fitoesteróis, os participantes seguiram a dieta da Fase I do NCEP. Um período de pré-teste de quatro semanas precedeu a intervenção. Os tratamentos consistiam em duas porções de 10g cada de creme vegetal com baixo teor de gordura e de uma dose de 250ml de leite desnatado, a serem consumidos diariamente em três momentos diferentes do dia, junto com as principais refeições. Os produtos enriquecidos com fitoesteróis forneciam a dose diária de 2,3g de fitoesteróis. O colesterol total no soro, o LDL-colesterol, apoB e a relação entre apoB:apoA-I caíram de maneira significativa, em 5,5%, 7,7%, 4,6% e 3,4%, respectivamente, após o consumo de produtos enriquecidos com fitoesteróis, em comparação com o placebo. Não houve diferença significativa no HDL-colesterol e nas triglicérides entre as fases de intervenção e placebo. Tanto apo A-I, quanto Lp(a) e hsCRP não foram afetados pelo consumo de fitoesteróis. Os presentes dados corroboram o papel adicional que fitoesteróis podem ter na redução do risco de doença cardiovascular, quando fazem parte de uma dieta com baixo teor de gordura e demonstram que produtos alimentícios com baixo teor de gordura e enriquecidos com fitoesteróis, tais como leite, podem ser combinados com produtos alimentícios à base de gordura para reduzir de maneira eficaz concentrações elevadas de LDL-colesterol.

Efeitos do consumo prolongado de ésteres de fitoesteróis ou fitoestanóis no metabolismo de lipídios e lipoproteínas em sujeitos sendo tratados com estatina. Jong de A et al., Br J Nutr 2008; 100(5): 937-941. Estudo de intervenção duplo-cego, randomizado, paralelo e com três braços com um período pré-teste de cinco semanas com creme vegetal de controle seguido de um período de intervenção com duração de 85 semanas com o consumo de creme vegetal de controle, creme vegetal enriquecido com fitoesteróis ou creme vegetal enriquecido com fitoestanóis. O consumo de creme vegetal era de 30g/d, oferecendo 2,5g/d de fitoesteróis ou fitoestanóis. Cinquenta e quatro pacientes submetidos a tratamento estável com estatinas (32 homens e 22 mulheres) completaram o estudo. Após o período pré-teste, 17 sujeitos continuaram com o creme vegetal de controle, 18 consumiram o creme vegetal enriquecido com fitoesteróis e 19 consumiram o creme vegetal enriquecido com fitoestanóis. Apenas os dados de 47 dos sujeitos estavam adequados para análise. Na metade da duração do estudo, no marco de 45 semanas, o LDL-colesterol havia sido reduzido de maneira significativa em 11,6% no grupo dos fitoesteróis e em 8,7% no grupo dos fitoestanóis em comparação com o grupo de controle. Ao final do estudo, após 85 semanas, o colesterol LDL havia sido reduzido em 8,7% no grupo dos fitoesteróis e em 13,1% no grupo dos fitoestanóis, em comparação com o grupo de controle. Não foram encontradas alterações nas concentrações de HDL-colesterol e triglicérides em nenhum dos três grupos. Não foram encontrados efeitos nas concentrações plasmáticas de marcadores de síntese de ácido biliar, que foram medidos para averiguar se diferenças nesses marcadores poderiam explicar uma possível diferença na eficácia entre fitoesteróis e fitoestanóis. Conforme esperado, as concentrações de fitoesteróis plasmáticos (expressadas por meio das relações entre sitosterol ou campesterol e o colesterol) aumentaram de acordo com a ingestão de fitoesteróis e as concentrações plasmáticas de sitostanol e campestanol aumentaram de maneira significativa de acordo com a ingestão de fitoesteróis. Entretanto, não foram notadas diferenças entre 45 e 85 semanas de intervenção, sem que fosse denotado um aumento maior nas concentrações plasmáticas de fitoesteróis com a ingestão contínua. Concluiu-se, conforme declarado pelos autores nesse estudo de longo prazo, que ambos os cremes vegetais enriquecidos com ésteres de fitoesteróis e os cremes vegetais enriquecidos com ésteres de fitoestanóis são igualmente eficazes na redução de LDL-colesterol ao longo do um período de 85 semanas em sujeitos medicados com estatina.

Concentrações plasmáticas basais de fitoesteróis podem prever a resposta do LDL-C ao sitosterol em pacientes com hipercolesterolemia familiar. Fuentes F et al., Eur J Clin Nutr 2008; 60: 495-501. Foram investigados os efeitos da ingestão de fitoesteróis nos lipídios sanguíneos, função endotelial e tamanho das partículas de LDL em 30 sujeitos com hipercolesterolemia familiar. Esse estudo foi randomizado, cruzado, com alimentação controlada e contou com quatro períodos/dietas (cada um com duração de quatro semanas): dieta de baixo colesterol (150mg/d) + baixo sitosterol (<0,5g/d), dieta de baixo colesterol + alto sitosterol (2,5g/d), dieta de colesterol alto (280-300mg/d) + sitosterol baixo e dieta de colesterol e sitosterol altos. Os fitoesteróis foram fornecidos por meio de creme vegetal. Após a intervenção, não foi encontrado efeito de nenhuma dieta no LDL-colesterol. Entretanto, na comparação entre as dietas de alto colesterol + baixo sitosterol com a dieta de alto colesterol + alto sitosterol, o LDL-colesterol foi reduzido de maneira significativa, em 7,7%. Na verdade, as reduções no LDL-colesterol foram maiores nos sujeitos nos tercis mais alto e intermediário das concentrações de sitosterol plasmático basal em comparação com os sujeitos no tercil mais baixo. Não foram encontrados efeitos na função endotelial. As partículas de LDL-colesterol pareciam ser maiores e menos densas após os dois períodos de consumo de alimentos enriquecidos com fitoesteróis.

TOP